Constantemente questionada – ou perturbada – por amigos e familiares sobre “quando você vai arrumar um namorado”, ela responde ora com simpatia, outrora com ironia, mas sempre convicta, apesar de carregar o peso de uma bolsa cheia de incerteza e indecisões.

Ela está feliz.

Convicta sobre seus valores, intuitiva e equipada com uma forte personalidade, soube se adaptar as maratonas de séries sem ninguém para compartilhar a pipoca, furtar goles do seu guaraná, derramar spoilers e esquentar seu corpo quando a temperatura diminui.

Ela é inteligente.

Ignora mensagens invasivas no Whatsapp e Facebook, rejeita convites tendenciosos para tomar uma cerveja e desvia de sorrisos alheio que atravessam seu caminho. Não está na fase de caçar ou ser caçada, apenas deseja ter um tempo só para ela.

Ela se completa.

Não quer bens materiais, quer conteúdo. Não quer frases copiadas do Google, quer algo novo, particular, especial. Está em constante crescimento, então, não quer alguém que a prenda, quer alguém que aprenda, capaz de acompanhar.

Não é difícil se apaixonar por ela.

Cheia de qualidades, individualidades e um charme estonteante, cedo ou tarde, encontrará um parceiro para dividir histórias sobre a cama e, quando estiver apaixonada, aí então se entregará por inteira e fará uma despedida pros seus dias mais normais, mas não hoje.

Hoje ela só quer paz.

Gostou? Então compartilhe esse texto com seus amigos do Facebook clicando aqui :)