Nos últimos dias recebi várias perguntas e desabafos. “Eu tenho dedo podre”, “é só comigo que isso acontece” e outras tantas mensagens. Então, decidi escrever sobre. Mas, não. Não é um afago pros seus erros. É um texto em forma dum leve soco no estômago, um tapa na cara. Pra você acordar.

Encontrar alguém capaz de suprir nossas necessidades físicas ou carência momentânea é tão fácil quanto fazer pipoca de micro-ondas, basta deslizar o dedo sobre a tela do smartphone. Encontrar alguém realmente interessante nesse mercado de pessoas se vendendo igual gado é raro. É tudo tão raso.

A tecnologia veio pra confundir o amor.

Aprendemos sobre amor ouvindo histórias antigas, por meio de livros fictícios ou atuações dissimuladas num estúdio de Hollywood. Confundimos amor com vontade de transar. Conjugamos pouco o verbo amar. Ao invés de valorizar os pequenos detalhes, caçamos pequenos defeitos e, assim, colecionamos apenas relacionamentos de pele e de pelo.

Culpamos o signo, o destino, até mesmo o vento.

Desculpa, mas a culpa é sua. O seu coração não vai acelerar enquanto você cogitar voltar prum ex que te fez sofrer, continuar inventando justificativas clichês pra não sair com alguém que mexeu com você – saiba que “não tenho tempo” só é desculpa pra quem já morreu.

Menina, esse texto em forma dum leve soco no estômago, um tapa na cara, não é pra te machucar. É pra você entender que, enquanto não souber identificar e priorizar aquela pessoa que pode fazer a diferença em sua vida, o sentimento vai desbotando.

Até desaparecer.

Escuta aí. 🙂

“Mas se você quiser alguém pra amar ainda, hoje não vai dar, não vou estar. Te indico alguém..”

 

Gostou? Então compartilhe esse texto com seus amigos do Facebook clicando aqui :)