Aos poucos, eu fui me apaixonando pelo seu sorriso de dentinhos pontiagudos e, aos poucos, eu fui me apegando aos seus hipnotizantes olhos cor-castanho. A gente se deu tão bem que o tempo sentiu inveja. No início foram flores, depois algumas tantas brigas e confesso que, naquele momento, eu pouco entendia, afinal, o amor bestializa.

Era amor de verdade misturado com versos e poesias. Mas o relacionamento desgastou e com os corações arranhados e lágrimas nos rostos, a gente terminou. Hoje, muitos meses depois, resolvi escrever e compartilhar essa carta tão particular e mesmo que você nem sequer a leia, eu preciso te pedir desculpa.

Por prometer um amor leve, daqueles baseados em confiança, que não foram feitos para acabar, mas que acabou. Não era o meu plano. Eu não planejei sentir ciúmes dos seus amigos, influenciar suas escolhas, controlar sua vida, tampouco te fazer chorar.

Por prometer parceria, que ficaria feliz ao te ver saindo à noite sozinha e se estivesse alcoolizada, eu aguardaria suas mensagens desconexas. Não deu. Eu criei expectativa, exigi demais, tentei fazer do meu jeito e, em muitos momentos, fui extremista.

Não faço ideia onde ou com quem você está. Por aqui é bem tarde, tá chovendo bastante e o meu coração descompassado por causa de uma crise de pânico não me deixa dormir. Sim, somente hoje eu descobri que sofro de ansiedade e que, muitas vezes, te usei como para-raios.

Mas, calma.

Não entenda errado. A ferida pós término já faz um bom tempo que cicatrizou. Eu não quero que você volte. Eu quero que você esteja feliz. Seja muito feliz. Hoje eu quero te fazer um pedido diferente, mas tão sincero quanto aquele apaixonado que outrora você – com os olhos tão brilhantes – aceitou.

Desculpa?

Se a gente já não sabe mais
Rir um do outro meu bem
Então o que resta é chorar

Gostou? Então compartilhe esse texto com seus amigos do Facebook clicando aqui :)